sexta-feira, 28 de março de 2008

folar

se há (ou havia) noites mágicas em palaçoulo, a noite de folar (2ª feira de páscoa) é seguramente uma delas. daquelas noites em que tudo, de inesperado, pode acontecer. por outro lado, também uma daquelas noites em que algo, esperado, sempre acontece: bebedeiras.
na noite de folar, palaçoulo é assaltado pelos locais (todos, mas especialmente os mais novos), varrendo a aldeia de ponta a ponta, invadindo casa a casa, comendo e (sobretudo) bebendo, deixando rastos de todos os níveis pelas ruas, casas, e casas de banho.

é uma noite de primeiras vezes.
quantos (e principalmente quantas) chegaram a casa de manhã pela primeira vez na noite de folar?
quantos beberam pela primeira vez uma cerveja ou apanharam a sua primeira bebedeira?
e quantos, talvés por isso, ganharam coragem para falar com aquela pessoa com quem desejavam meter conversa há tanto tempo?
para quantos foi, nessa noite, o primeiro vómito?
e, mais interessante, o primeiro beijo?
ou, menos interessante mas não menos importante, a primeira tampa?
e quantas outras coisas aconteceram pela primeira vez na noite de folar. e para quanta gente...

por força de variadas situações, como o facto de muita gente já estar fora nesse dia (a trabalhar, estudar, etc...) ou por falta de vontade, a festa não tem sido tão poderosa nos últimos anos. no entanto, continua a ser potente. porque folar é folar e - isso não falha - há sempre alguém a vomitar!

5 comentários:

suskind disse...

"há sempre alguém a vomitar"... TU?

parreirex disse...

@ suskind,

não desta vez.
mas não seria a primeira vez.

caramonico disse...

Bons tempos, esta geração da Cocacola e ainda por cima Ligt, já não vale as copas de uma saranda. Bons tempos aqueles em que por ali aparecia o manchado (lembras-te), os beijos na boca...... bons tempos .....bons tempos

Ass: Raimundo

parreirex disse...

naturalmente que me lembro do manchado aparecer por lá. comia escaravelhos como se fossem batatas fritas (ou bolicaos)...

Aldina disse...

olá grande amigo... também de alguns folares!!
Mas, sinceramente, como já são, tantas e de tão boas recordações, as vezes que estive contigo e com o pessoal na "borracheira", já não me lembro se a primeira vez que te vi bebado foi ou não no folar.
Mas o que quero comentar é que realmente o folar tem um cariz muito mágico e único. Álias eu desconheço tal tradição em qualquer lugar do mundo! Tenho a certeza, pelo menos em atitude que o nosso folar é único.
Tens razão quando dizes que por diversos motivos já não é a mesma coisa. Até eu inegável activista do que melhor há em Palaçoulo, deixei de poder estar; e repito: de poder estar pois querer; isso é óbvio que adorava estar! Mas como se explica a importância de um acontecimento destes a Minhotos que também querem férias nesse dia para " beijar a cruz"? Tarefa quase impossível, lá há um ano ou outro em que consigo. Mas apesar de caramonica, tou no Minho e se não os podes vencer, junta-te a eles... prescindo do folar com muita mágoa para não ter de prescindir da festa- semana do 2 de Setembro. Porque essa nem que " chovam canivetes", permitam-me a graça, eu tenho de estar para mais uma séria de primeiras vezes.
Dizer-te amigo: tou a adorar o que vi do Blog e manter-me-ei por aqui.
Sugestão: continuarmos todos a lutar para não deixar morrer o folar e como é óbvio não te esqueças e sei que não esquecerás de comentar o tema que abrdei anteriormante.
Abraço e vemo-nos em breve em Burela para beber umas arrancadeiras e quem sabe fumar uns cigarritos;) se ele nos deixar!!! pois é café de não fumadores!! Olha: Burela!tema de onde poderias retirar ideias para uma série de crónicas...
Aldina